sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Fragmentos filosóficos delirantes I*


"Havia muito tempo que a pintura linear pura me enlouquecia, até que encontrei Van Gogh que pintava, não linhas ou formas, mas coisas da natureza inerte como se estivessem em plena convulsão."

"Há em todo demente um gênio incompreendido em cuja mente brilha uma idéia assustadora, e que só no delírio consegue encontrar uma saída para as coerções que a vida lhe preparou."

* Antonin Artaud

Nenhum comentário:

Postar um comentário