sábado, 8 de janeiro de 2011

Fragmentos filosóficos delirantes X*

"Vem, pois, poeta amargo da descrença/ Meu Lara vagabundo/ E co'a taça na mão e o fel nos lábios/ Zombemos do mundo!"

"Sonhou - Amou - Cantou: em loucos versos/ Evaporou a vida absorta em sonhos/ E debalde! ninguém chorou-lhe os prantos/ Que sobre as mortas ilusões já findas/ Pálido derramara."

"Adeus!...é renunciar numa agonia/ A esperança que ainda nos palpita;/ Sentir que os olhos cegam-se, que esfria/ O coração na lágrima maldita!/ Que inteiriçam as mãos, e a alma aflita."

"Em frente do meu leito, em negro quadro/ A minha amante dorme. É uma estampa/ De bela adormecida. A rósea face/ Parece em visos de um amor lascivo/ De fogos vagabundos acender-se..."

"Se é verdade que os homens gozadores,/ Amigos de no vinho ter consolo,/ Foram com Satanás fazer colônia,/ Antes lá que no Céu sofrer os tolos!"

"Amei! amei! no sonho, nas vigílias/ Esse nome gemi que eu adorava!/ Votei amor a tudo quanto é belo!/ Escuta...A rua é queda. A noite escura/ É negra como um túmulo. Durmamos."

"E o mundo? não me entende.Para as turbas/ Eu sou um doudo que se aponto ao dedo./ A glória é essa. P'ra viver um dia/ Troquei o manto de cantor divino/Pelas roupas do insano."

*Álvares de Azevedo

Nenhum comentário:

Postar um comentário