sábado, 29 de janeiro de 2011

Fragmentos filosóficos delirantes XVI*

"Ora, a sabedoria outra coisa não é que essa simplicidade de viver. Se é preciso filosofar, é para redescobrir essa simplicidade."

"Não há pergunta, e é por isso que a resposta é sim: é o próprio mundo. Os mistérios estão em nós, em nós os problemas e as perguntas. O mundo é simples porque é a única resposta às perguntas que ele não se faz: simples como a rosa ou o silêncio."

"A palavra só me interessa quando é o contrário de uma proteção: um risco, uma abertura, uma confissão, uma confidência. Gosto de que falem como quem se despe, não para se mostrar, como crêem os exibicionistas, mas para parar de se esconder."

"A vida verdadeira é quase sempre uma ressurreição."

"Mais solidão também é mais liberdade, possibilidades, imprevisto. Numa grande cidade, ninguém conhece você, e isso diz a verdade da sociedade e do mundo: a indiferença, a justaposição dos egoísmos, o acaso dos encontros, o milagre, às vezes, dos amores..."

"A filosofia é a alvorada sempre recomeçada do pensamento, que não pára de se alçar - brilho pálido da razão! - do fundo de nossos crepúsculos."

* André Comte-Sponville

Nenhum comentário:

Postar um comentário