segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Mar

Idalina Krause
Filósofa Clínica
Porto Alegre/RS


Ó mar! Misteriosas águas
O tempero de tuas ondas
Fazem pensar em delícias
Vazão de sensações
Repuxo, volúpia aquosa
Mergulhos quentes

Ó mar! Tão enigmático
Como eu mesma
Um ser de enseadas
E gigantescas ondas

Nossas ressacas
Invadindo praias
Marolas surfadas
Véus ilusórios

Batidas em pedras
Rochas acariciadas
Mar morto
Oceano Pacífico

Ó quantas gotas cabem em ti?
Quanta sujeira depositaram em nós!
Extrema-unção dos enfermiços
Desconcertantes bailados
Que nos mantém indo e vindo
Ao sabor da marés

Nenhum comentário:

Postar um comentário