terça-feira, 5 de abril de 2011

Papel existencial ou escolha nossa de cada dia

Rosângela Rossi
Psicoterapeuta e Filósofa Clínica
Juiz de Fora/MG


Televisão desligada. Que delícia! Nem novela, nem BBB.
Noite quente com céu estrelado. Janela aberta para o mundo.
Ar entrando no peito e reflexão sobre os papéis existenciais e as escolhas nossas de cada dia.

Em nossa incrível singularidade vamos escolhendo o que fazer e o como fazer num mundo cheio de possibilidades.

A ação nossa de cada dia imprime nossa marca registrada.
Em cada lugar e circunstância fazemos um tipo de escolha.

Somos multiplos e plurais. Capazes de diversificação e papeis diferentes.

Se assim não acontecesse estaríamos engessados atrás de uma persona, máscara.
Porque somos livres, seres da escolha, vamos trocando de papéis e de máscaras.

Ilusoriamente pensamos que temos que apenas ter um só papel existencial em todos os lugares.
Se isto acontecesse... O professor ao invés de ter o papel de pai, ou de marido, ou de amigo, seria em todos lugares , o professor. Já pensou que chatisse para os filhos, amigos e esposa?

O incrível é poder representar em cada momento o papel correspondente. Hora de ser mãe , é hora de ser mãe e não psicóloga ou pedagoga. Hora de ser psicóloga , é hora de ser psicóloga e não ser mãe.

Abertura, flexibilidade,liberdade auxiliam neste exercício de vivermos cada papel existencial com inteireza e sabedoria. Presentes no tempo do agora. Atentos.
Inteligência nada mais é do que a capacidade de transitarmos pelos vários papeis existenciais que a vida nos apresenta. Com certeza a vida nossa de cada dia fica mais rica e menos monótona.
Que papel você está vivendo agora?

Já pensou em se libertar dos rótulos e brincar com as possibilidades infinitas que as novidades do agora nos traz?

Pois, pois....

Afinal somos metamorfoses ambulantes borboleteando aos ventos, dançarinos cósmicos no exercício de ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário