quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Literatura anônima*


Escrita, pichada, falada.
Nos muros, nos lares, nos bares, nos mundos.
De direita, de esquerda, pelega, reacionária.
De amor, de dor, de horror, de flor.
Inventada, copiada, esculpida e aclamada.
De ninguém, de todo mundo.
Pra ninguém, pra alguém.
Direta ou indireta, clara ou obscura.
Que fala de algo, que não fala de nada.
Que escuta, que sussurra, que apanha, que esmurra.
Com uma palavra só, com palavras sem dó.
Musicada ou palavreada.
Com licença fonética.
Nos ônibus, trens, metrôs, barcas, aviões.
Nas paradas, nas estações, nos embarques e desembarques.
Sem graça, engraçada, politizada, despreocupada.
Sobre sexo, maconha, rock ’n’ roll.
Em uma imagem fotografada, pensada, sonhada, pintada.
Literatura não é só palavra.
Literatura não é só conto, poema, verso ou prosa.
Ela está em lugar-nenhum e está em todos os lugares.
Assinada ou não ela sempre será literata.

*Vinicius Fontes
Filósofo Clínico
Rio de Janeiro/RJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário