quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Azul e amarelo*


Amar é um elo entre o azul e o amarelo
(Paulo Leminski)

Dizem que o arco-íris condensa todas as cores, assim como sonhos, esperanças e olhares perdidos.
Ele se esquece no horizonte e cruza os destinos de quem ousa ver além, ao alcance dos que fantasiam. Para tanto, basta a pressa da felicidade e a ingestão dos encantamentos. Porque é preciso vida para cruzar a fonte e é preciso amor para encontrar o pote das preciosidades inebriantes.

Também é preciso acordar cedo (ou tarde), apenas para ter certeza de que mais um dia acontece para que se intencione ser feliz. Depois, há o tempo de caminhar juntos, comprometidos com o que nem sempre importa, mas que costuma ser bom. Se no meio do caminho tropeçar, paciência. Sorria e estenda a mão à alma caída para que ela possa te puxar. Participar de dores e dissabores também faz parte, como tempero para o prato principal, mesmo que seja só uma saladinha.

Assim como o vaivém das singularidades traçam uma dança inusitada que explode em facetas caleidoscópicas, há todos os filhos nascidos do corpo ou do coração – não importa de quem – que costumam ser a melhor parte de uma construção que vai além.

Porque adentrar arco-íris nem sempre é fácil; estar junto também não.

Mas vale a pena quando as nuances se combinam, se revelam ou se multiplicam. Ou quando alguns matizes do azul e do amarelo se misturam para adornar vivências e proclamar alegrias que ora ordenam, ora bagunçam.

Planejam ou improvisam seus cenários revestidos de cotidianos e divergências em times e tonalidades.
Mas também de afinidades e alegrias, percebidas nos olhares investidos de cores ou em preto e branco, para trilhar caminhos plenos, intensos e sem limites... não só em azul e amarelo.

Pois se amar é um elo, que este esteja perdido entre o ontem e o amanhã... que se perpetue no presente e se reconheça eterno, como os sonhos, as esperanças e os olhares que se encontram num beijo entre o sol e o céu... entre o amarelo e o azul.

*Luana Tavares
Filósofa, Mestre em Filosofia, Filósofa Clínica
Niterói/RJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário