quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Noites, sonhos, fronteiras*


A noite
embesta-se
no emaranhado
de meus cabelos
sem vinho
sem ninho
corre
esconde-se
em meio as luas cheias
e estrelas cadentes
assombra as meninas
assanha os meninos
a noite
desvia-se
na contra mão
e me instiga
a deixar os olhos abertos
esperar os vampiros
passarem
até o nascer do sol
para me lambuzar
de sonhos
e me fartar
de amores
a noite... é noite
obediente
rebelo-me
pois nada mais é
além da fronteira
do meu eu
e teu tu.

*Rosangela Rossi
Psicoterapeuta, Escritora, Poeta, Filósofa Clínica
Juiz de Fora/MG

Nenhum comentário:

Postar um comentário