quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Disso que vivo*


A gente vai envelhecendo
As inutilidades pulsando
E, a gente acha tempo
Pra brincar de ser poeta
Os cabelos embranquecidos
Cintura alargada
Fios de ruga enfeitando olho
Vai a gente por este mundo
Ora besta, ora pequeno
Nada fazendo
No ócio deleitando
Vai criando jeito de ampliar
A vida desconjuntada
Contando casos
Rabiscando sonhos
Pedindo licença aos anjos
Para voar em suas asas
E,feliz ir
Brincando de ser criança
outra vez.

Rosângela Rossi
Psicoterapeuta, Escritora, Poetisa, Filósofa Clínica
Juiz de Fora/MG

Nenhum comentário:

Postar um comentário