quinta-feira, 28 de maio de 2015

Caminhos do neologismo*


 “O desejo é fundamental polívoco, e sua polivicidade faz dele um único e mesmo desejo que banha tudo.”
Kafka

“...formas de corporeidade, de gestualidade, de ritmo, de dança, de rito, coexistem no heterogêneo com a forma vocal. ”
Deleuze e Guattari


Ainda sobre o neologismo no pensar, o pensamento é um voo que vai além da univocidade, ele tem sua pluralidade no efeito dos significados. Está certo, o significado é preciso mas ele percorre o signo como um estilhaço de origens. O fato de existir a criação, de recriar naquilo que já existe outros existentes nomes é o que legitima a polivicidade dos nomes.

Um nome sozinho é um achado no meio da linguagem, é o que faz o filósofo da contemporaneidade, não recorrer apenas o existente e não se iludir com os nomes, flexibilizar os caminhos, romper barreiras com a força da linguagem. 

Não existe um sem outro, o pensamento e a linguagem não estão isolados. Mesmo com o artificialismo das coisas, até aí foi preciso o pensar sobre a origem da polivicidade das formas. 

O pensamento serve ainda para contribuir nos mistérios da criação, a linguagem é o caminho do neologismo desterritorializado no fluxo da linguagem do cotidiano.

*Luis Antônio Gomes
Doutor em Comunicação. Editor Sulina.  Prof. PUC/RS
Porto Alegre/RS

Nenhum comentário:

Postar um comentário