sábado, 26 de novembro de 2016

Fragmentos Filosóficos, Delirantes


"São sonhos, sobretudo, que unem artista e rua"

"(...) as contradições que animam a cidade moderna ressoam na vida interior do homem da rua"

"Não obstante, a verdade é que, como Marx o vê, tudo o que a sociedade burguesa constrói é construído para ser posto abaixo. 'Tudo que é sólido' - das roupas sobre nossos corpos aos teares e fábricas que as tecem aos homens e mulheres que operam as máquinas, às casas e aos bairros onde vivem os trabalhadores, às firmas e corporações que os exploram, às vilas e cidades, regiões inteiras e até mesmo as nações que as envolvem - tudo isso é feito para ser desfeito amanhã, despedaçado ou esfarrapado, pulverizado ou dissolvido, a fim de que possa ser reciclado ou substituído na semana, talvez para sempre, sob formas cada vez mais lucrativas"

"Que espécie de pessoas produz essa revolução permanente ? Para que as pessoas sobrevivam na sociedade moderna, qualquer que seja a sua classe, suas personalidades necessitam assumir a fluidez e a forma aberta dessa sociedade"

"No manifesto, a ideia de Marx é que a burguesia efetivamente realizou aquilo que poetas, artistas e intelectuais modernos apenas sonharam, em termos de modernidade"

"Em nossos dias, tudo parece estar impregnado do seu contrário"

" Todas as nossas invenções e progressos parecem dotar de vida intelectual as forças materiais, estupidificando a vida humana no nível da força material"

"Ser moderno é encontrar-se em um ambiente que promete aventura, poder, alegria, crescimento, autotransformação e transformação das coisas em redor - mas ao mesmo tempo ameaça destruir tudo o que temos, tudo o que sabemos, tudo o que somos (...)"

"Ser moderno é fazer parte de um universo no qual, como disso Marx, 'tudo que é sólido desmancha no ar'"

*Marshall Berman in "Tudo que é sólido desmancha no ar" Ed. Cia das Letras. SP. 2007.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário