domingo, 22 de janeiro de 2017

Limites do poeta*


Que faria um poeta
Sem certas palavras
Sem as palavras certas
No tempo certo
Que poderia fazer um poeta
Proibindo-se certas palavras?

Mamãe e papai
Me recomendavam:
Amar e ser sincero
Sempre!

"Mas porquê, mamãe e papai,
Devo amar e ser sincero
Sempre?"

Alguém pode fazer ideia
Da falta que faz
A palavra certa na hora incerta
A palavra incerta na hora certa
Nunca diga nada para sempre!

Alguém sabe o tempo que dura um sempre!
Onde é a pousada de um nunca!
O que mora dentro de um nada!
O que permanece, afinal
De tudo isto que muda!

*José Mayer
Filósofo. Poeta. Livreiro. Estudante na Casa da Filosofia Clínica
Porto Alegre/RS

Nenhum comentário:

Postar um comentário