sábado, 20 de maio de 2017

Fragmentos Filosóficos, Delirantes*













"O que, portanto, deve manter-se impronunciado resguarda-se no não dito, abriga-se no velado como o que não se deixa mostrar, é mistério"

"Uma compreensão de mundo assim orientada pode surgir de diferentes fontes porque a força expressiva do espírito é ativa de muitas maneiras"

"Apreendida em sua verdadeira essência, a linguagem é algo consistente e, a cada instante, transitória. Mesmo a sua preservação na escrita é sempre uma preservação incompleta, mumificada, mas necessária quando se busca tornar perceptível a vida de seu pronunciamento"

"A linguagem é, na verdade, o eterno trabalho do espírito de tornar a articulação sonora capaz de exprimir o pensamento. Rigorosa e imediatamente, esta é a definição da fala em cada situação; sem sentido verdadeiro e essencial, apenas a totalidade dessa fala pode ser considerada como linguagem"

"(...) o poder suave da simplicidade de um saber escutar"

"(..) Do dizer e de sua saga em que se oferece o mundo como um deixar aparecer"

"É que o dicionário não é capaz de apreender e abrigar a palavra pela qual as palavras vêm à palavra"

"(...) uma coisa, chamada palavra, confere ser a uma outra coisa"

"(...) a linguagem é a casa do ser"

"É indispensável perdermos o hábito de só ouvir o que já compreendemos"

"A linguagem da poesia é essencialmente polissêmica e isso de um jeito muito próprio. Não conseguiremos escutar nada sobre a saga do dizer poético enquanto formos ao seu encontro guiados pela busca surda de um sentido unívoco"

*Martin Heidegger in "A caminho da linguagem". Ed. Vozes. Petrópolis/RJ. 2004.

Nenhum comentário:

Postar um comentário