quarta-feira, 21 de junho de 2017

Fragmentos Filosóficos, Delirantes*


"Em nenhum outro sentido a palavra 'espírito livre' quer ser entendida: um espírito que se tornou livre, que voltou a tomar posse de si mesmo"

"(...) reconheci que havia chegado o tempo de me voltar para mim mesmo. De uma vez por todas ficou claro para mim, de uma maneira terrível, quanto tempo já havia sido desperdiçado (..)"

"(...) o fato de que a humanidade até hoje esteve nas piores mãos, de que ela foi regida pelos malogrados, pelos vingativos-astutos, pelos assim chamados 'santos', esses caluniadores do mundo e violadores do homem"

"Quando se desvia a seriedade da autoconservação, da fortificação do corpo, quer dizer, da vida, quando se faz da anemia um ideal, quando se constrói 'a salvação da alma' sobre o desprezo ao corpo, o que é isso se não uma receita para a décadence?"

"Com a 'aurora' iniciei, pela vez primeira, a luta contra a moral da renúncia a si mesmo"

"(...) tudo aquilo que é decisivo nasce 'apesar de tudo'"

"A gente paga caro por ser imortal: morre-se mais de uma vez durante a vida por causa disso"

"Foi o próprio Deus que ao fim de sua obra se disfarçou de serpente indo se deitar sob a árvore do conhecimento: assim ele se restabeleceu do fato de ser Deus... Ele havia feito tudo demasiado belo... O diabo é apenas a ociosidade de Deus a cada sétimo dia (...)"

"No fim das contas ninguém pode captar nas coisas, incluídos os livros, mais do que ele mesmo já sabe. Para aquilo que a gente não alcança através da vivência, a gente também não tem ouvidos"

*Friedrich Nietzsche in "Ecce Homo". Ed. L&PM Pocket. Porto Alegre/RS. 2014. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário