sábado, 7 de agosto de 2010

Navegar ou Naufragar

Wilson Barbosa
Filósofo Clínico
Goiânia/GO

Desde a década de 90, aproximadamente, os centros de tecnologias, os laboratórios de informática, vem sendo uma realidade dentro das escolas públicas brasileiras.

De lá para cá, as discussões de se encontrar os melhores mecanismos de ensino/aprendizagem, consoante ao uso das tecnologias, vêm ganhando espaço cada vez maior junto aos pedagogos, técnicos e especialistas em geral.

No tocante ao uso do computador, devemos manter cautela em determinados aspectos, sem contudo,coibir o aluno de "mergulhar" em um oceano de informações, a internet.

A atitude do professor, indubitavelmente, deve ser a de fornecer um ambiente que favoreça o máximo possível de informação e aprendizagem à seus alunos e em nenhum momento da história da educação houve tão expressiva oportunidade de informação e aprendizado quanto o momento em que vivemos, a saber, com laboratórios de informática conectados à rede.

Na outra ponta da questão, nunca houve riscos tão grande de, ao invés de obter informação e aprendizado navegando pela web, naufragarmo-nos em meio a um "oceano" de onde não se enxerga o porto.

Cabe ao professor se preparar, rompendo com velhos paradigmas e propor uma nova forma de cognição, utilizando os recursos de que dispõe, direcionando o processo de ensino/aprendizagem com criatividade, sem abrir mão da ordem; usar de sabedoria e direcionamento, sem deixar a delicadeza de entender a ansiedade do seu aluno que talvez, jamais teve tamanha oportunidade de aprendizado.

Quando os parâmetros do uso da tecnologia são bem definidos, as possibilidades de ensino aumentam. O aluno passa a enxergar um mundo novo que antes por hábito lhe era igual, e o papel do educador para com seu aluno tomará por fim seu lugar devido: um farol pertinho quando for preciso e um farol distante quando for preciso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário