sábado, 29 de setembro de 2012


Mulher: Substantivo feminino...*

Nem sempre contente com a realização de um grande dia, muito inconstante e dores diferentes.
De repente o peito aperta e então ela pensa se é por causa dos hormônios ou do inchaço da última menstruação! Chega a diversas conclusões sem solução, aí, eis que lágrimas correm desassossegadas por sua face e ela escreve e escreve sem parar como numa neurose incansável. Ela sabe que já é madrugada e que deveria ter lido um pouco antes de dormir, surgem culpas e pensamentos desordenados enquanto ela está cansada de ter que arrumar tempo para viver uma vida contemporânea. Estar arrumada, trabalhar, namorar, ser bonita a todo momento, gentil e afetuosa...

Porém,

Soa um grito de dor! Porta do quarto fechada e o coração sufocado de tanto representar a "mulher ideal", perfeita sem uma gota de insatisfação! Não, não mesmo! Não foi por isso que ela lutou séculos e séculos. Ela só pretendia ser uma pessoa, entendam, uma pessoa como outra qualquer... Era só! Mas aí vieram os silicones, as revistas cheias de perfeitas mulheres e detalhe: Todas felizes! Ela não suportou tamanha pressão social e criou um casulo só seu, inacessível, trancado.

Entretanto, vez por outra, ela dança e aí surge alma nessa pessoa que queria ser e ela percebe que a dança também se tornou uma grande aliada, uma obsessão!!!

Mas quando movimenta o corpo a alma é elevada a nível tão profundo que nem a droga mais poderosa do momento seria capaz de lhe dar tamanho prazer.

Sua vida se torna poesia e o inchaço já nem incomoda tanto, as dores musculares são recompensadas pelo ganho do movimento esperado. Sua filosofia, outra paixão, pode esperar até o dia seguinte, o livro não vai sair do lugar e então, realizada, as leituras terão outro tom, outro sabor, outro saber.

E uma coisa eu garanto, sexo frágil ela não é não! Essa época já se foi! Ela sabe bem o que quer. Conquistou o mundo e pretende dominá-lo, seduzi-lo com movimentos no corpo, no cérebro, na alma e no coração! Sim! Mulher, eu sou e amo muito esse estado de ser.

*Vanessa Ribeiro
Atriz, dançarina, filósofa, matemática, estudante de filosofia clínica
Petrópolis/RJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário