terça-feira, 21 de abril de 2015

Não te Arruínes, Alma, Enriquece*


Centro da minha terra pecadora,
alma gasta da própria rebeldia,
porque tremes lá dentro se por fora
vais caiando as paredes de alegria?

Para quê tanto luxo na morada
arruinada, arrendada a curto prazo?

Herdam de ti os vermes? Na jornada
do corpo te consomes ao acaso?

Não te arruínes, alma, enriquece:
vende as horas de escória e desperdício
e compra a eternidade que mereces,
sem piedade do servo ao teu serviço.

Devora a Morte e o que de nós terá,
que morta a Morte nada morrerá.

*William Shakespeare, in "Sonetos"

Nenhum comentário:

Postar um comentário