terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Tempo do sem fim*


Noite a dentro
silêncio no entorno
os deuses me povoam
Hermes me possui
entre Dioniso e Apolo
poemas de Gullar e Pessoa
suspiro estrelas
navego pela escuridão
guiada por pirilampos
driblo o sono
na vastidão de mim
multidões plurais
benzem meus devaneios
ancoro-me nesta fresta
a deleitar-me
na relva imaginal
porque sou não ser
dissolvida no espaço
no tempo do sem fim

*Rosângela Rossi
Psicoterapeuta, Filósofa Clínica, Escritora
Juiz de Fora/MG

Nenhum comentário:

Postar um comentário